TRAVESSURAS



GOL PRA CÁ... GOL PRA LÁ...  GOL, CAGOU!


Ano 2009. Segundo semestre letivo. Sala dos Professores. Falávamos todos ao mesmo tempo, imitando sem querer alunos rebeldes e indisciplinados. Cogitávamos como poderíamos conhecer as obras de autores famosos em tempo recorde para o curso que fazíamos de Artes, dentro do nosso Colégio, no horário de Formação em Jornada Integral. Alguém insinuou uma viagem a Belo Horizonte. Lá estavam obras de Rodin e O Mundo Mágico de Marc Chagal, o sonho e a vida, acrescentando que a exposição estava nos últimos dias. Às pressas, uma das professoras, que por lazer fazia pacotes turísticos, se dispôs a cotar preços de passagens aéreas e hotéis. Marcada a data, escolhido o menor valor, fechamos com a GOL nossas passagens de ida e volta. A princípio somente para poucos dos vinte e três professores, o que seria sua primeira viagem aérea, o passeio prometia ser absolutamente inédito. Mas acabou sendo inesquecível para o grupo todo. Malas prontas, ansiedade total! Nossos intervalos de recreio dos alunos, lanche rápido e encontros na Jornada Integral de Formação foram permeados de conversas animadas e muitos planos para o que deveria ser um fim de semana bate volta extremamente interessante, alegre, cultural e de boa convivência. Sábado cedinho, momento do embarque. Entramos no avião, não sem antes rirmos muito de uma pessoinha divertida, que por não passar pela segurança, chegou a tirar os sapatos. Vinte e três amigos no mesmo voo é muito bom! Mudávamos de lugar a todo instante e ninguém sabia mais onde fora a sua primeira opção de escolha. No hotel, todos se arrumaram bem depressa para descer para o almoço, no centro de Belo Horizonte, com grupos de música ao vivo e dança de rua. À tarde, já dentro do ônibus previamente fretado, percorremos as ruas da cidade, percebendo que a distância do Aeroporto de Confins, tanto para o evento como para o hotel, não era nada fácil, nem curta. Demoramos demais, nos perdemos... O céu azulzinho foi escurecendo. Não era entardecer, nem a noite chegando. Apenas tempestade das piores, com vento forte, raios, trovões e enchentes. Na rua do Museu, íngreme por nascimento, era uma enxurrada só. Parecia uma cascata de água descendo veloz e arteira rua abaixo. Juro que cheguei a sentir medo.  Claro que não foi possível descermos do ônibus. Ali ficamos por mais de uma hora esperando a chuva passar. Seja por conta do tempo, seja pelo fato de que a exposição terminaria naquele fim de semana fatídico, certo é que as filas estavam imensas! Tínhamos prioridade, porque havíamos reservado a data, mas somente para entrar no Museu. Lá dentro, a concorrência para ver as belas obras era incrível! Quase todos saímos de lá, sem nada ver, sem nossa meta cumprir. Chegamos tarde ao hotel, mas queríamos uma noite diferente. Pesquisa daqui e dali, conseguimos descobrir uma casa noturna, com pista de dança, para chocalhar o esqueleto. Definido o local, acertos feitos, conseguimos uma VAN, cujo motorista ficou a nossa disposição levando o grupo em três viagens. A minha experiência foi traumatizadora. Último grupo a seguir, ele dirigia completamente desembestado. Em cada curva, deslizava meu corpo banco afora. Parecia que aquele transporte ia se despedaçar e que seus destroços ficariam pelas ruas de Belo Horizonte. Saí da VAN meio tonta, roupas fora do lugar. Sinal da cruz para me benzer. Que bom, cheguei viva.



FICAR DE FOGO COM SUQUINHO E ENTRAR NUM BANHEIRO MASCULINO EM BH

Ocupamos uma mesa para jantar. Digo "tentar", porque a certa altura desistimos do menu e focamos no prato de entrada. Melhor encher o papo de torradas do que nada. O estranho é que bebidas chegavam bem depressa. Era pedir e tomar. Sei de minha facilidade para me embriagar. Não vacilei. Pedi um grande copo de suco de frutas. Nada de álcool. Era, portanto, a única a estar de cabeça boa ali no meio de todos. A certa altura, duas amigas me pediram para irmos ao sanitário. De longe li (Juro que li) “COMADRE”. Claro, banheiro feminino. Fui à frente e elas me seguindo. Atravessamos a pista de dança e entramos sem checar... No banheiro do “CUMPADRE”. Um homem, muito desinibido nos acompanhou de volta indicando a porta correta do banheiro certo. Não ousei mais tirar meus pés do lugar. E na primeira chance, de lá saímos sem jantar e sem dançar. Após dormirmos o sono dos justos, levantamos muito cedo. O café do hotel não era nada bom. Fomos ao mercado central comprar algo pra comer. Lugar infestado de gente e sem tempo pra pagar. Desistimos. O ônibus já estava a nossa espera. E nos levou para o XAPORI.  Uma mistura de comida caseira, com mineira à italiana. O professor de Inglês, o causador da “dor” (conforme descobrimos mais tarde) sugeriu Camarão na Moranga. Um prato delicioso e de preparo demorado. Enquanto o menu principal não chegava, comíamos tudo o que podíamos lambiscar nos pratos alheios. E a fome não baixou até nos certificarmos de qual era o sabor de todas as compotas de doces mineiros que podíamos nos servir a bel prazer. Resultado: Desta vez o atraso foi incrível. Tínhamos que estar no aeroporto uma hora antes do voo, marcado para duas horas daquele mesmo domingo. Confins é extremamente distante do XAPURI. Por mais que o motorista do ônibus fretado corresse, só conseguiu chegar a tempo de nos mostrar o nosso avião na pista. Quando demos entrada no aeroporto, correndo e gritando para esperarem, pois ainda faltava meia hora para o embarque, o segurança imediatamente fechou os guichês. Ninguém nos atendeu! Disseram mais tarde, em audiência, no processo que abrimos, que o avião foi embora vazio, com as vinte e três poltronas abandonadas! Na verdade, uma testemunha afirmou que a aeronave decolou lotada, sem nenhum lugar sem uso, numa evidente constatação de overbooking. Como poderíamos voltar para São Paulo? Outro voo para Cumbica, Congonhas ou mesmo Viracopos, só ocorreria nos dias posteriores e, mesmo assim, com pouquíssimas vagas, sem contemplar a todos. De malas pesadas às costas, caminhávamos de um lado para o outro. Confins fica nos “confins do mundo”, não havia nada por perto, apenas alguns lugares dentro do aeroporto, onde nos serviam lanches minúsculos a preços ardidos. Conversa daqui conversa dali, localizamos um micro-ônibus, cujo motorista chegava de São Paulo e faria a viagem de volta, desde que fôssemos junto com ele até sua casa, não muito próxima do aeroporto. Claro que aceitamos. Até hoje não sabemos de onde desceu dos céus aquele anjo, que nos acolheu com tanto carinho e competência a um preço bem modesto, e que ainda ofereceu seu lar para que utilizássemos banheiros, em filas indianas. Nosso grupo não perdeu o bom humor e a cada parada durante a madrugada, havia o momento da aterrissagem e decolagem, onde a “auto moça” imitava a “aeromoça” com direito a falas em Português culto, que imediatamente era transcrito em Inglês, por nosso mestre. Muitas piadas e brincadeiras, tanto que fiquei rouca por rir demais. O melhor momento foi atravessar o aeroporto de Cumbica a pé, malas a mão, pois o micro-ônibus nos levou até lá, já que nossos carros estavam estacionados naquele aeroporto nos esperando. Com certeza, esta foi a única vez que passageiros da GOL desceram de ônibus com mais de vinte e quatro horas de atraso num aeroporto internacional. Que mico, meu Deus! O pior mesmo foi a greve sem motivo na segunda feira, quando TODOS os professores faltaram e não havia ninguém para dar aulas às crianças!  Menos de um mês e a exposição veio para São Paulo. Já não havia sido fácil explicar aos maridos ciumentos como é que um grupo de vinte e três pessoas conseguiu perder o avião, quanto mais que tínhamos que ir ao Museu de Arte Moderna em São Paulo ver Rodin e Chagal, desta vez pra valer! A fim de nos garantir fretamos um ônibus de verdade!

Liz Rabello (In INTERVALOS, 2012, Editora Beco dos Poetas)

 MILAGRE DA MARACUGINA
Rodrigo foi viajar a passeio e deixou sua encomenda comigo. Não sem antes me fazer jurar que cuidaria com muito amor do pacote. O danadinho do Cirilo gato é muito “agarrado” ao dono. Gato não por ser belo, porque é feio demais. E sim porque gosta de ficar em cima do sofá. O carro nem estava na esquina e o cãozinho já arriscava notas de sua sinfonia, um uivo de lobo que lembra gata no cio. E assim foi noite adentro, para meu desespero que revezei com o Carlos os cuidados e carinhos para com o bichinho. Por volta das cinco da manhã, meu marido já queria mandá-lo de volta. Eu não deixei. Achei por bem cumprir a promessa. Só que durante a manhã, num momento de desespero desabei a chorar e implorar ao negrinho que calasse a boca. Ou por dó ou por cansaço o bichinho cedeu. Dormiu. Finalmente dormiu! Ao acordar, novamente o concerto reiniciou, mas o Carlos precavido trouxe Maracugina. Cirilo dormiu a noite inteira. Deve ter sido o santo remédio ou o colinho e afetos do substituto do pai o causador do milagre. Acordou de manhã todo feliz e só começou a sinfonia quando o Carlos saiu para comprar os pães do café matinal. Quando o novo dono chegou foi uma festa interminável. Pareciam séculos transcorridos desde o último uivo. Cirilo não tem mesmo noção de tempo. Comecei com minha manha especial para agradá-lo: compartilhar meu pão com queijo derretido em fogo brando. Vareta adora e ensinou o moleque a gostar também. Daí precisei sair. E o concerto começou. Vareta na bateria e Cirilo no saxofone. Penso que antes do Rodrigo voltar a vizinhança já fez um BO.
Liz Rabello


Ainda não inventaram um photoshop para melhorar pelos revoltados... rsrsrsrsrsrsrs!



Não existe um shampoo especial para pelos aguçados e nervosos...



VENCIDOS PELO CANSAÇO
Sinfonia acabou, o cansaço venceu. Tenho que confessar: A Vareta é uma ótima mãe. Ensinou ao Cirilo tudo certinho. Até agora não precisei limpar nenhuma sujeirinha desagradável. Não estão brigando, nem nada. Minto. Teve uma briga logo a noitinha quando o Rodrigo chegou e deu atenção a mais para a Vareta. Cirilo não teve dúvidas, mordeu o rabo dela... Eta menino levado!

O Cirilo foi encontrado no Parque São Domingos pela Vareta, que após ter se aproximado, feito amizade e trocado pulgas, arrependeu-se, pois perdeu o trono e teve que dividi-lo, não sem antes mostrar que tinha memória curta.

UMA TRAVESSURA À MODA "CHAVES"
QUINTA DAS OLIVEIRAS - ESTRADA DO VINHO - SÃO ROQUE


A PRIMEIRA VEZ A GENTE NUNCA ESQUECE


PASSEIO DE DOMINGO  NO PARQUE SÃO DOMINGOS
MINHA MAIOR TRAVESSURA:  ANDAR SEM DORES



Muito agradecida a Deus por estar ANDANDO PERFEITAMENTE, após tantas fisioterapias! Sem dor! E feliz! Há mais de um ano que não caminhava neste parque... 
Nem sei como agradecer a Deus. Mil vezes obrigada!



Somos um grão de areia no universo.



Imagine o real: perfume, tonalidades de verde, vento soprando... 
Só Deus para nos dar tanta paz...



A Natureza em todo o seu apogeu!


Quando a própria natureza se oferece ao paisagismo... Lindo de se viver!



MORRENDO AFOGADA NA PRAIA

De longe a embarcação do salva vidas não conseguia vir me salvar... rsrsrsrsrsrsrsrs!


PARTICIPAR COM AMIGOS DA EDUCAÇÃO DA GREVE MAIS LONGA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO:  "MAIO DE LUTAS/2014"


SEGURAR COM A MÃO UM OURIÇO DO MAR 

RUMO AO MAR DE MACEIÓ 

Maceió, veleiros e canoas 
Voo a esmo em tua imensidão 
Desço a jato mesmo sendo 
A última a sair do avião! 

Maragogi águas cristalinas 
Em alto mar já me perdi 
Peixinhos coloridos ouriços 
A brincar em pequeninas mãos! 

Curvas de Pontal Verde 
Mar e poesia te rodeia 
Em tua orla de palmeiras 
Alegria inusitada ver-te em mim! 

Falésias coloridas pele 
pintada de cores mil 
Apreciar a cultura popular 
Beleza e encanto sem par! 

Quero na boca tua brisa 
Gritar e saudar tua beleza 
De mar a devorar areias 
Afagar ar e me perder de amar! 

Liz Rabello


JOGAR BOLA COM MEU NETINHO NA QUADRA


FICAR DE FOGO EXPERIMENTANDO QUENTÃO


SUBIR NUM PÉ DE MANGA DO MEU PARAÍSO


PEGAR ABACATE DO VIZINHO E LEVAR UMA ABACATADA NO ROSTO


BRINCAR DE BALANÇO COM CACHOS DE BANANA


COMER UM PASTEL DE ITU EM PARATY RIO DE JANEIRO, NA FLIP 8


VOO DE ASA DELTA  -  CARAGUATATUBA  -  2010


FOZ DO RIO SÃO FRANCISCO - SUBINDO EM UM COQUEIRO!


BRINCANDO NA TIROLESA - NATAL DE 2013 - JEQUITIBA


BANHO DE ESPUMA NO CARNAVAL DE 2010 


TORCER PELO BRASIL NA COPA DO MUNDO 

COPA NÃO É PÃO E CIRCO

Pão alimenta o corpo
Circo é pra alma alegrar
Ninguém vive só de pão
Ninguém sorri só de não
Governo precisa de ambos
Pra garantir a escravidão!

Copa é elite, não é circo, nem pão
Nos estádios não é a nação
Povo pobre em volta da televisão
Comendo pipoca, sorrindo cerveja
Churrasco de segunda
Alegria e bola na mão!

Liz Rabello


DEIXAR-ME LAMBUZAR DE BOLO COM ABRAÇOS MELADOS DO MEU AMOR



BRINCAR DE "CONTUNDIDO" NA ÁREA
RAFINHA SE JOGAVA AO CHÃO E FINGIA




 BRINCAR DE ESCONDE ESCONDE COM UM AMIGO IMAGINÁRIO
RAFINHA ACREDITAVA! 




FLUTUAÇÃO NO RIO SUCURI - BONITO - MATO GROSSO DO SUL


LEVAR MEU NETO AO ESTÁDIO ASSISTIR UM CLÁSSICO DO TIMÃO


DIRIGIR MEU CARRO (FORD K - ZERO KM EM  2002 EM PLENA TEMPESTADE, MORRO ABAIXO, NA PEDRA DO BAÚ EM CAMPOS DO JORDÃO... PAVOR!




LEVAR MEUS ALUNOS PARA O GALINHEIRO DO "PROJETO SEMEAR" PARA VER O PRIMEIRO OVINHO DA GALINHA TERESA FLEURY... AULA ABERTA  COM  POESIA DE BANDEJA... SARAU PARA AS GALINHAS!  UM DIA MUITO ALEGRE COM MINHAS CRIANÇAS!



TRANSFORMAR  MINHA  VARETA  VIRA-LATA  NA  MUSA  DE  UM LIVRO!




QUE ABSURDO!



O filho de um amigo, de apenas dois aninhos, após ouvir minhas queixas contra as novas tecnologias e  dificuldades de aceitação, exclamou ao pai, assombrado: "Que absurdo! Ela não sabe ligar a TV!"

Mais recentemente, em uma nova visita, o mesmo pai me dizia que Davi já tinha aprendido a ler. E eu: "Meus parabéns, menino esperto! Me diz, o que mais aprendeu? - A resposta veio feito bomba: "Escrever, pintar, desenhar... E você, já aprendeu a ligar a TV?"

 Pior que não!
Liz Rabello




RAFAEL  E  LUDY  DESDE PEQUENINOS FORAM MUITO AMIGOS. ERA LINDO DE SE VER A CONFIANÇA QUE MEU CÃOZINHO TINHA NELE.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você pode comentar...