terça-feira, 12 de julho de 2016

CÍRCULO VICIOSO


Fotografei a aurora
Ao clicar já era manhã

Fotografei o orvalho
Ao clicar já era água
O sol desbotara a noite
O sol desfiava a neblina
O sol delirava o dia


Fotografei a manhã
Ao clicar o frio já era quente
O sol aquecia o ar
O sol temperava a luz
O sol desmanchava trevas


Fotografei a tarde
Ao clicar o vento bramia
Mandava para longe
Folhas de um girassol


Fotografei a chuva
Que escondera o pôr do sol
Que o Arco Íris cambiou
Ao leve sol que voltou


Fotografei a noite
Ao clicar a lua advertia:
Mandava chamar o meu amor
Porque já era hora bem perto da hora
De se encontrar com o dia!”


Liz Rabello - Poema escrito no Workshop de Carloz Torres,
 no Armazém da Cidade, em São Paulo, Vila Madalena




Saudade é o que fica
No ponto curvo do horizonte
Onde a paisagem desatina
A esfumar o perfil de quem partiu

Liz Rabello 


LIBERDADE
Não há ninguém que não a queira
Nem alguém que dela não seja prisioneiro

Liz Rabello



Quero nuvens pra remontar pedaços,
Estrelas pra colar mozaicos
Infinito pra deixar mensagens
Eternidade caminhos afora
Um livro é uma oportunidade
De se viver além do próprio tempo!


(Liz Rabello)


Um comentário:

Aqui você pode comentar...