quarta-feira, 11 de novembro de 2015


NADA PARA MEU OLHAR

Olhe nos meus olhos
e verás a luz
por trás das pálpebras
é puro amor

Real na dor
sutil no apelo
pleno desejo de fome ceder
mas não envergo

Podes confiar amigo
que sei conter-me
fidelidade é meu traço único
união e afeto minha cumplicidade

Sou capaz de dividir
Somar só se for afetos
Subtrair só dores
Multiplicar amores

Entre todos sem arestas
Preconceitos nem pensar
Que eu só sei amar
Vem! Nada para meu olhar!

Liz Rabello


OLHA PRA MIM


O que tu pensas sobre mim?
Como podes me julgar?
O que tu vês é apenas a carcaça
Corpo suado de sofrer
Aparências que me envolvem
Se tu olhas apenas pra fora
Nada enxergas!

Olhos além dos olhos
Intuição do coração
Belezas escondidas
Sorrisos ocultando tristezas
Avessos que nem sempre
Outra mente consegue mentir
Antes de desvendar!

Liz Rabello

(Lua no Chão, Editora Essencial, 2015)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você pode comentar...