sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015



UM BEIJO INESQUECÍVEL

Sete ou oito anos. Brincávamos no fundo do quintal de minha casa. Cada uma de nós tínhamos por namorado uma das árvores do pequeno pomar. Era apaixonada por uma goiabeira, de galhos contorcidos, onde me sentava para ler Monteiro Lobato, Irmãos Grimm ou as revistinhas de histórias em quadrinhos do Pato Donald, que adorava! Eu me atrasei na escolha e fiquei com o pé de caqui, naquele tempo também a gente “ficava”! Abracei a árvore com todo ardor, fechei os olhos. Encostei os lábios, de selinho, é claro! Um, dois, três! Lasquei o maior beijo numa taturana preta! Mais tarde, boca inchada, tive que contar a história do beijo para um montão de médicos e enfermeiras, que riam pra valer da minha ingenuidade! Meu primeiro beijo de amor foi inesquecível! Aprendi a não fechar os olhos!

Quinze anos. Namorava. Brigamos! Ferida, magoada, falava sem parar, queria que me provasse que me amava. Ele gesticulava, não o deixava nem murmurar uma defesa! Não teve dúvidas! Calou-me com um beijo inesquecível, maravilhoso, como jamais alguém beijou-me, nem ele próprio! Eu o carreguei para o altar e juntos ficamos até bem depois do amor acabar!

Mais de trinta anos. Viúva. Pós graduação na PUC, Semiótica, Mestrado. Uma loucura de livros! Era Coordenadora Pedagógica no colégio, dia de comissão de classe com professores. Sexta-feira! Amigas me convidaram: Vamos dançar? Estava exausta, quase não sei dançar. Como fazê-lo? Me carregaram. Fui a contra gosto! Fiquei sentada na mesa olhando! Vendo os casais girando! E ali, do meio da multidão, ele veio, atravessou o salão, me pegou pela mão e me levou, sem nenhuma palavra. Deslizava meu corpo para todo lado. Só olhava para os olhos dele. Não sei se foi o mundo que parou ou ele. Só senti seus lábios nos meus! Momento mágico! Vi estrelas! Ninguém mais existia ali! Só nós dois! Não sei nem mesmo qual era a música que dançávamos, pois só ouvi a melodia do meu coração. Ficamos juntos por quatro anos. E até bem depois deste tempo eu o amei por demais .

Liz Rabello

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você pode comentar...