quinta-feira, 17 de abril de 2014



“EU” ESTRANGEIRA DE MIM 

Não sei que sinos soam 
quando tento me entender 
busco raízes que se mostram 
sem na terra se esconder


Não me acho, não me encontro 
não sei quem sou nem onde estou 
não há em mim um só sinal 
nem uma vida certa e fatal

Sou saudades do que fui
Do que restou, onde não estou
Dos sonhos que de mim se ausentou
Cicatrizes do que me machucou


Sou impulso, sou desejo
De ser “Eu”, mas “Só” me vejo
Sem identidade, sem idade
Ausência: “Eu” estrangeira de Mim

(In Antologia PÉROLA NEGRA, de Liz Rabello, 
Beco dos Poetas,   2014)

2 comentários:

  1. Sou saudades do que fui
    Do que restou, onde não estou
    Dos sonhos que de mim se ausentou
    Cicatrizes do que me machucou

    profundo baby

    ResponderExcluir

Aqui você pode comentar...