segunda-feira, 23 de dezembro de 2013



COMO ÁGUA E ÓLEO

Eu sou água transparente
Leve solta corro morros
Deslizo pedras
Rolo ribanceiras
Vertigens nas alturas
Lindas cachoeiras

Você é óleo
Dedos toques suaves
Na pele nos lábios
Falo!
Vertigens no chão
Voos nas estrelas

Como água e óleo
Pelas bordas você fica
Não te alcanço
Não te encontro
Teu mel se dilui
Em minhas águas
Teu fel me fere
Coração sangra
A noite termina
Manhã deserta inicia

Liz Rabello

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você pode comentar...